10/21/2016

A imprensa que não pode exercer seu papel,

AÇAILÂNDIA - Toda as vezes que a imprensa e a mídia passam a ser alvo de represália, de quem quer que seja, em especial da classe política, o regime democrático sofre abalos sísmicos acima de sete pontos na Escala Richter (escala logarítmica arbitrária, de base 10, que serve para quantificar a magnitude de um tremor de terra), e isso pode trazer devastações irreparáveis em meio à população, comparado aos grandes desastres naturais.

Proibir uma jornalista, serviçal da profissão, de cumprir o seu verdadeiro papel por meras picuinhas políticas, seguir essa interlocutora como se fosse uma criminosa e ainda humilhá-la de chegar perto de um determinado candidato, representa um claro absurdo nos tempos modernos em que a transparência com a "res publica", ou seja, com a coisa pública, passa a ser condição básica para a natureza humana de um país que se considera democrático em todos os aspectos social, moral e político.