7/28/2011

LIÇÃO PARA OS CASAIS

SAIBA COMO MUDAR SEU CASAMENTO!

Como todos vocês sabem, os quatro pilares do casamento são: Diálogo, Confiança, Respeito e Sexo.
Vamos estudar separadamente cada um desses pilares e tentar extrair o maior número de informações possíveis, para que possamos crescer com qualidade e evitar conflitos e possíveis problemas.

O primeiro e igualmente importante pilar é o Diálogo.

O que o diálogo precisa ter:

1) Assunto definido – Muitos casais confundem diálogo com conversa e a até com barraco. A conversa é mais ampla, variada, que não precisa ter um tema central e que, pelo contrário, muda de tema com muita facilidade e pode ser com mais pessoas envolvidas.

2) O diálogo é preferencialmente a dois, com hora e lugar previamente definidos. Por exemplo: Aconteceu um pequeno conflito. Você chama seu esposo ou esposa e avisa: Hoje a noite, quando chegarmos do trabalho ou da igreja, gostaria que sentássemos para tratar de tal assunto.

3) Fale a verdade – Não deixe nada guardado no seu coração a respeito deste conflito e sempre vá direto ao assunto, sem rodeios, sem enfeites ou metáforas para que o seu cônjuge tenha oportunidade de preparar a defesa, de simplesmente justificar o ato e até apontar uma solução.

4) Seja respeitoso – Mesmo que o tema deste diálogo seja algo que o aborreceu grandemente, o respeito ainda é o melhor caminho, a fim de preservar a integridade das relações conjugais e você assim, não passar de vítima para réu.

5) Use de mansidão – Muitas vezes precisamos nos ajustar a alguma situação da qual não estamos acostumados ou nem aprovamos, para que a paz possa reinar em nosso lar. Ser manso é abrir mão de estar com a razão para estar com a paz. Num confronto entre o casal, o empate é sempre uma vitória e às vezes a vitória pode se tornar uma amarga derrota.

6) Apresente sempre uma solução – Como já dissemos, o diálogo é para resolver algum conflito. Então, se sentamos e não conseguimos chegar a uma conclusão ou a uma solução, o conflito acabou de deixar de ser um simples conflito para adquirir “status” de problema. Se sua esposa diz que não gosta quando você sai com a camisa amarela, a solução é deixar de usar a tal camisa.


O que o diálogo não pode ter:

1) Vários assuntos ao mesmo tempo – Quando sentamos para resolver um conflito, é próprio do ser humano trazer à tona vários outros conflitos não solucionados ou mal resolvidos. Nunca caia nesta armadilha. Um grande problema que corrói sem piedade o relacionamento é justamente este acúmulo de lixo que vai enchendo o nosso coração. Nunca deixe de dialogar. Dialogar é não permitir que conflitos se acumulem gerando mágoas, desentendimentos e ressentimentos, três perversos vilões do nosso relacionamento.

2) Acusação – Lembre-se, quanto estiver dialogando, que vocês são marido e mulher e por princípio de Deus, uma só carne. O diálogo não é um cenário ideal para um julgamento, aonde só existe o réu e o advogado de acusação, mas uma troca de informações buscando a excelência do relacionamento.

3) Desconfiança – A desconfiança é uma doença tão maligna quanto o ciúme, que fere profundamente a alma da pessoa alvo desta desconfiança, podendo causar danos irreparáveis. Então, todas as vezes que for dialogar, dialogue em cima de fatos reais e não de suposições, achismos, desconfianças ou ainda sobre alguma coisa que alguém disse.

4) Agressão – Não é o que se fala. É como se fala. Tem a maneira polida, carinhosa e meiga de se dizer a verdade, e tem a verdade. Caio Fábio diz que a maior verdade do mundo, se não for dita com amor, passa ser uma mentira.

5) Pressão por mudanças – Quando chegamos no casamento, chegamos cheios de informações da nossa antiga família, como costumes, manias, falta de educação. Para que haja um ajuste perfeito, as mudanças são necessárias, mas são lentas e graduais. Pressionar para se obter mudanças é violentar a individualidade do outro, o que é extremamente nocivo. Muitas pessoas, por serem pressionadas por mudanças, passam a representar. Só que a vida não é um palco; um dia elas podem cansar e quando isso acontecer, pode também ser o fim.

6) Recorrer ao passado – Quando recorremos ao passado, no momento de um caloroso diálogo, estamos mostrando duas coisas que são péssimas para o relacionamento a dois. Primeira: Falta de perdão. Toda ferida precisa ser cicatrizada, senão corre o risco de problemas sérios. Segunda: Mostra que o relacionamento para você é uma competição e o que é pior, você não está preparado para perder. Se assim for, você está precisando de tratamento urgente.

Lembre-se: O diálogo é como uma afinação de um instrumento. Você não passa o tempo todo afinando e pode até tocar com o instrumento desafinado, mas o som que vai sair dele vai ser horroroso.
Diálogo é uma conversa franca, agradável, em amor, que promoverá o crescimento, amadurecimento e a significativa melhora do relacionamento. O que passar disso é baixaria.