1/04/2016

A vida e o pequeno grande presente

O presente da vida
A vida é um conjunto ou uma somatória do passado com o presente, onde quase sempre reina o futuro. O presente tem um tempo pequeno, mas é a nossa grande dádiva. Ninguém se ocupa muito com o presente; as lembranças do passado e as expectativas do futuro preenchem quase todos os nossos momentos.

Não podemos esquecer que o futuro sempre depende do que fazemos no presente.

A razão pela qual algumas pessoas acham tão difícil serem felizes é porque estão sempre a julgar o passado melhor do que foi, o presente pior do que é e o futuro melhor do que será. (Marcel Pagnol)

A vida tem a sua história
Ontem é história concreta, o amanhã é um mistério que vai virar história e o hoje é uma dádiva real, um pequeno grande presente.
História, a êmula do tempo, depósito das ações, testemunho do passado, exemplo do presente, advertência do futuro. (Miguel de Cervantes)

Não há estado de alma, por mais simples que seja, que não mude a cada instante, pois não há consciência sem memória, não há continuação de um estado sem adição, ao sentimento presente, da lembrança de momentos passados.

Nisto consiste a duração. A duração interior é a vida contínua de uma memória que prolonga o passado no presente, seja porque o presente encerra distintamente a imagem incessantemente crescente do passado, seja, mais ainda porque testemunha a carga sempre mais pesada que arrastamos atrás de nós, à medida que envelhecemos.

Sem esta sobrevivência do passado no presente, não haveria duração, mas somente instantaneidade. (Henri Bergson)

Portanto, todas as etapas da vida são importantes, a menor delas é o presente, mas é justamente o momento de ser feliz, é o que realmente temos de concreto, é o nosso pequeno grande presente.



A vida não pode ser economizada para amanhã.
Acontece sempre no presente.
(Rubem Alves)

O presente da vida
É importante recordarmos o adolescente que nós fomos. Eu lembro que no aniversário de um amigo, nós “adolescentes” resolvemos fazer uma brincadeira e entregar-lhe um presente. 

Era uma caixa muito grande! Surpreso diante dos convidados, ele abriu a caixa, e encontrou uma caixa um pouco menor. Abriu-a e tornou a encontrar outra, numa sucessão de embrulhos e caixas que parecia não ter fim. 

Havia passado um longo tempo desembrulhando caixas, com a ajuda dos convidados, quando, finalmente, lá estava uma caixinha, onde ele encontrou um anel, que o deixou emocionado.

Nas tantas circunstâncias em que a vida nos separa de seres que um dia nos foram tão caros, eu perdi o contato com esse amigo, mas suponho que ele guarda esse presente até hoje, pelo menos na lembrança.

Essa recordação nos permite fazer uma comparação.
A cada momento a vida está nos presenteando com oportunidades, mas esses presentes estão quase sempre muito bem embrulhados, por isso não o vemos com facilidade. 

É preciso ter a observação treinada e a sensibilidade sem travas. É preciso paciência ativa para desembrulhá-los com a reflexão, porque as oportunidades só encontram quem está preparado para recebê-las.

A arte de viver começa a ser percebida quando aprendemos a desembrulhar os presentes que a vida nos oferece e quando conseguimos presentear com sentimentos perceptíveis os seres que amamos. (Jarbas Mattos - O Sentido da Vida)

Todos os homens querem viver felizes, mas, para descobrir o que torna a vida mais feliz, vai-se tentando, pois não é fácil alcançar a felicidade, uma vez que quanto mais a procuramos mais dela nos afastamos. Podemos no enganar no caminho, tomar a direção errada; quanto maior a pressa, maior a distância. (Sêneca)

As pessoas felizes lembram o passado com gratidão, alegram-se com o presente e encaram o futuro sem medo. (Epicuro)

Abraços e muita paz!

0 comentários:

Postar um comentário